Adeus, João Carpalhau!

Adeus, João Carpalhau!

28/07/2018 2 Por Sandro Marcelo Ladino

Os quadrinhos brasileiros sofreram uma grande perda neste dia 26 de julho. Vítima de um ataque cardíaco fulminante, o quadrinhista, ilustrador e promotor cultural João Carpalhau faleceu aos 38 anos de idade em Duque de Caxias, RJ. Quando dizemos grande perda, não se trata de eufemismo ou de palavras convenientemente bonitas. João Carpalhau era importante! Era, não, é, pois seu legado permanece como um exemplo a ser seguido!

O selo Capa Comics, criação ímpar de João Carpalhau.

João foi o fundador do coletivo carioca Capa Comics em 2013. O coletivo teve a participação de artistas como Cristiano Ludgerio, Hamilton Kabuna, Alex Genaro (um dos criadores da Valkíria) e Luciano Cunha (criador do Doutrinador que está chegando em breve nos cinemas!). O propósito do Capa Comics sempre foi promover a cultura local incentivando os quadrinistas da Baixada Fluminense a produzir histórias ambientadas na realidade de seu cotidiano. Acreditando muito em seu trabalho e propósito, João também realizava atividades escolares em prol da valorização do quadrinho nacional. Era palestrante e oficineiro, além de promover debates sobre o tema e trabalhar formas de utilizar os quadrinhos como ferramenta educacional.

Eberton Ferreira, de Causos, com João em mais uma Gibizeira!

Em 2016 João fundou, em parceria com a Secretaria de Cultura e Turismo do Rio, a Gibiteca Adail José de Paula em Duque de Caxias, RJ, democratizando o acesso de mais de 2 mil títulos de quadrinhos ao público. No mesmo ano ele lançou a Gibizeira, uma feira de quadrinhos independentes que promove o trabalho dos artistas, possibilitando que eles vendam suas obras sem precisar pagar pelo espaço como muitos eventos ainda fazem muitas vezes a preços extorsivos para os artistas.

As crianças da escola de samba mirim Pimpolhos da Grande Rio visitando a Gibiteca fundada por Carpalhau.

A Gibizeira se tornou tão importante que além de ser realizada em diversos shoppings do Rio de Janeiro, chegou a eventos literários de peso como o LER – Salão Carioca do Livro e a Bienal Internacional do Livro! João não era fraco, meu amigo!

Carlos Patati(também falecido este ano) conduzindo um debate sobre quadrinhos de terror na Gibiteca.

Onde houvesse eventos de quadrinhos pelo Brasil, ali estava Carpalhau sempre presente e atuante, divulgando seu trabalho, incentivando seus colegas, gerando ideias e estimulando a todos. Agregar era seu objetivo de vida e ele fazia isso por todos nós, por isso é um exemplo a ser seguido! Não importava qual quadrinho fosse, o Carpalhau estava ali para apoiar, como pudemos ver em sua participação nos quadrinhos do Resistente de Juliano Rocha.

A criação máxima de Carpalhau.

A maior criação do artista é, sem dúvida, o personagem Detrito, um professor que sofre um atentado sendo deixado para morrer no Rio Sarapuí. Graças à poluição, o professor ressurge como um monstro disforme disposto a combater o mal. Os quadrinhos do personagem e outras coisas mais podem ser vistas no site da Capa Comics: https://capacomics.wordpress.com.

Encerrando essa matéria com aquilo que João amava demais: quadrinhos!

Quem trabalhou com ele, quem o conheceu, sente demais essa perda. Os quadrinistas do Rio, que o conheceram de perto estão meio órfãos e, de certa forma, nós também! Vai em paz, João! Teu legado permanece!